Elaine Cruz

Elaine Cruz é psicóloga clínica e escolar, com especialização em Terapia Familiar, Dificuldades de Aprendizagem e Psicomotricidade. É mestre em Educação pela Universidade Federal Fluminense, professora universitária e possui vários trabalhos publicados e apresentados em congressos no Brasil e no exterior. Atua como terapeuta há mais de vinte e cinco anos e é conferencista internacional. É mestre em Teologia pelo Bethel Bible College (EUA) e membro da Academia Evangélica de Letras do Brasil. Como escritora recebeu o 'Prêmio ABEC de Melhor Autora Nacional' e é autora dos livros “Sócios, Amigos e Amados” e “Amor e Disciplina para criar filhos felizes”, todos títulos da CPAD.

Aborto – direitos e deveres 

Sabemos que a vida se inicia com a fecundação do óvulo feminino pelo espermatozóide masculino. Desde o momento da fecundação inicia-se uma reprodução celular maravilhosa e deslumbrante, que a ciência explica, mas não compreende, formando todos os órgãos, tecidos, nervos, músculos e sistemas do corpo humano.

A gênese embrionária é uma ciência fascinante, um milagre divino, formando bebês com um DNA exclusivo, diferentes uns dos outros, com íris dos olhos e digitais diferenciadas, e com um temperamento inato e particular!

Quem já passou pela maternidade e paternidade conhece a emoção de ouvir o batimento do feto! E quem já recebeu a benção de gerar conhece o sentimento inenarrável de se emocionar com os movimentos do bebê ao se movimentar no útero materno. Há vida no útero, uma vida real e partilhada com a mãe  que gera seu filho. Vários países do mundo estão discutindo a liberação e discriminalização do aborto. A maioria destes atos são conduzidos por mulheres que defendem o “direito" de fazerem o que desejarem com  seus corpos e com os filhos que geram em seus úteros. A questão principal é que o direito de viver é do feto, do filho, do bebê que está sendo gerado – e não é à mãe que cabe o direito e a escolha de deixar ou não seu filho viver!!!

A mulher tem o direito, dado por Deus, de possuir seu corpo, mas o dever de cuidar dele, o dever de evitar ou planejar a gravidez, e o dever de respeitar a vida que vive dentro dela. Se não quer filhos, se não está numa relação conjugal estável, ou se é nova e sem estrutura para cuidar de um filho sozinha, ela tem o dever de não engravidar – não tem o direito de abortar!

A mãe, quando não evangélica, pode até defender o direito de fazer sexo quando desejar, mas tem o dever de escolher bem os métodos anticoncepcionais para não engravidar. Quando evangélica, as regras mudam, pois sabemos que Deus autoriza o sexo só dentro do casamento, e que o casal deve planejar como e quando os filhos virão, escolhendo juntos estratégias anticoncepcionais, de modo a desfrutarem das bençãos divinas no lar sobre si mesmos e seus filhos. Pessoas casadas, evangélicas ou não,  têm o direito de uma vida sexual prazerosa e feliz, mas o dever de manterem a gestação quando esta acontecer. 

É direito da criança gerada ter vida e gozar a sua vida após o nascimento. E é dever da gestante prover todos os cuidados necessários para que esta criança tenha uma boa gestação e uma vida de qualidade após o nascimento. Portanto, ao invés de discutir o aborto como direito da mulher – o que é anti bíblico e um crime de homicídio – devemos discutir os deveres de muitas adolescentes na forma como usam seus corpos, e se relacionam sexualmente de modo irresponsável e inconsequente. 

Aborto não é uma escolha da mulher ou do seu companheiro, e muito menos um direito concedido pelo estado. Aborto é crime, pois quando realizado mata uma vida que está sendo gerada, ao mesmo tempo que nega o direito da criança viver. Como evangélicos, nosso trabalho é respeitar os princípios bíblicos, e formar em nossos adolescentes e jovens a consciência do dever, onde o sexo precisa ser entendido como lícito dentro do casamento, e a gravidez compreendida não como fruto de pecado, mas como uma consequência natural da vida sexual. Deus sempre nos oferta muitos direitos, mas reivindica deveres e obediência para que nossa vida possa ser abençoada e feliz.   

elaineElaine Cruz 

*A CPAD não se responsabiliza pelas opiniões, ideias e conceitos emitidos nos textos publicados nesta seção, por serem de inteira responsabilidade de sua(s) autora(s).

O Inverno da vida

Escrito por Elaine Cruz
O Inverno da vida

O clima do inverno pode ser muito aprazível. Podemos estar aquecidos, aproveitando o aconc...

O Outono da vida

Escrito por CPAD Web
O Outono da vida     

Nas estações do ano da nossa vida, o verão é a nossa infância, a primavera é nossa adolesc...

A Primavera da vida

Escrito por Elaine Cruz
A Primavera da vida

Na definição das estações do ano da nossa vida, se o verão é a nossa infância, a primavera...

O verão das nossas vidas

Escrito por Elaine Cruz
O verão das nossas vidas

Se pudéssemos definir as estações do ano da nossa vida, o verão seria a nossa infância, a...

Os planos de Deus 

Escrito por CPAD Web
Os planos de Deus 

Nossa vida é composta de escolhas cotidianas. Escolhemos horários para acordar e dormir, s...

O medo do novo! 

Escrito por Elaine Cruz
O medo do novo! 

Desde a infância sabemos o quanto pode ser difícil começar numa nova escola, fazer novos a...

Planejamento anual

Escrito por Elaine Cruz
Planejamento anual   

Todo início de um novo ano costumamos fazer muitas e novas resoluções – ler a Bíblia toda,...

 

 

SOBRE


Com o objetivo de ajudar as mulheres cristãs da atualidade, a CPAD prepara um presente especial para elas: o site de conteúdos Mulher Cristã. O novo espaço feminino vem repleto de conteúdos inéditos, sempre com temas voltados para as mulheres cristãs de nossos dias.

©2019 CPAD: Av Brasil 34.401 - Bangu - Rio de Janeiro - CEP: 21852-002 - Brasil - CNPJ 33.608.332/0001-02. Designed by CPAD.