Elaine Cruz

Elaine Cruz é psicóloga clínica e escolar, com especialização em Terapia Familiar, Dificuldades de Aprendizagem e Psicomotricidade. É mestre em Educação pela Universidade Federal Fluminense, professora universitária e possui vários trabalhos publicados e apresentados em congressos no Brasil e no exterior. Atua como terapeuta há mais de trinta anos e é conferencista internacional. É mestre em Teologia pelo Bethel Bible College (EUA) e membro da Academia Evangélica de Letras do Brasil. Como escritora recebeu o 'Prêmio ABEC de Melhor Autora Nacional' e é autora dos livros “Sócios, Amigos e Amados”, “Amor e Disciplina para criar filhos felizes” e o mais recente, "Equilíbrio Emocional", todos títulos da CPAD.

Aborto – direitos e deveres 

Sabemos que a vida se inicia com a fecundação do óvulo feminino pelo espermatozóide masculino. Desde o momento da fecundação inicia-se uma reprodução celular maravilhosa e deslumbrante, que a ciência explica, mas não compreende, formando todos os órgãos, tecidos, nervos, músculos e sistemas do corpo humano.

A gênese embrionária é uma ciência fascinante, um milagre divino, formando bebês com um DNA exclusivo, diferentes uns dos outros, com íris dos olhos e digitais diferenciadas, e com um temperamento inato e particular!

Quem já passou pela maternidade e paternidade conhece a emoção de ouvir o batimento do feto! E quem já recebeu a benção de gerar conhece o sentimento inenarrável de se emocionar com os movimentos do bebê ao se movimentar no útero materno. Há vida no útero, uma vida real e partilhada com a mãe  que gera seu filho. Vários países do mundo estão discutindo a liberação e discriminalização do aborto. A maioria destes atos são conduzidos por mulheres que defendem o “direito" de fazerem o que desejarem com  seus corpos e com os filhos que geram em seus úteros. A questão principal é que o direito de viver é do feto, do filho, do bebê que está sendo gerado – e não é à mãe que cabe o direito e a escolha de deixar ou não seu filho viver!!!

A mulher tem o direito, dado por Deus, de possuir seu corpo, mas o dever de cuidar dele, o dever de evitar ou planejar a gravidez, e o dever de respeitar a vida que vive dentro dela. Se não quer filhos, se não está numa relação conjugal estável, ou se é nova e sem estrutura para cuidar de um filho sozinha, ela tem o dever de não engravidar – não tem o direito de abortar!

A mãe, quando não evangélica, pode até defender o direito de fazer sexo quando desejar, mas tem o dever de escolher bem os métodos anticoncepcionais para não engravidar. Quando evangélica, as regras mudam, pois sabemos que Deus autoriza o sexo só dentro do casamento, e que o casal deve planejar como e quando os filhos virão, escolhendo juntos estratégias anticoncepcionais, de modo a desfrutarem das bençãos divinas no lar sobre si mesmos e seus filhos. Pessoas casadas, evangélicas ou não,  têm o direito de uma vida sexual prazerosa e feliz, mas o dever de manterem a gestação quando esta acontecer. 

É direito da criança gerada ter vida e gozar a sua vida após o nascimento. E é dever da gestante prover todos os cuidados necessários para que esta criança tenha uma boa gestação e uma vida de qualidade após o nascimento. Portanto, ao invés de discutir o aborto como direito da mulher – o que é anti bíblico e um crime de homicídio – devemos discutir os deveres de muitas adolescentes na forma como usam seus corpos, e se relacionam sexualmente de modo irresponsável e inconsequente. 

Aborto não é uma escolha da mulher ou do seu companheiro, e muito menos um direito concedido pelo estado. Aborto é crime, pois quando realizado mata uma vida que está sendo gerada, ao mesmo tempo que nega o direito da criança viver. Como evangélicos, nosso trabalho é respeitar os princípios bíblicos, e formar em nossos adolescentes e jovens a consciência do dever, onde o sexo precisa ser entendido como lícito dentro do casamento, e a gravidez compreendida não como fruto de pecado, mas como uma consequência natural da vida sexual. Deus sempre nos oferta muitos direitos, mas reivindica deveres e obediência para que nossa vida possa ser abençoada e feliz.   

elaineElaine Cruz 

*A CPAD não se responsabiliza pelas opiniões, ideias e conceitos emitidos nos textos publicados nesta seção, por serem de inteira responsabilidade de sua(s) autora(s).

A cultura suicida

Escrito por Elaine Cruz
A cultura suicida

Segundo a Organização Mundial de Saúde, temos no mundo um suicídio a cerca de cada vinte s...

Considere o que você já tem!

Escrito por Elaine Cruz
Considere o que você já tem!         

A parábola do filho pródigo retrata do comportamento do filho que gasta o que recebe do pa...

Filhos pródigos

Escrito por Elaine Cruz
 Filhos pródigos

Uma das parábolas mais lindas e conhecidas da Bíblia enfatiza o comportamento de um filho...

Tempos

Escrito por Elaine Cruz
Tempos

Nós não sabemos viver desvinculados do tempo. Vamos somando nossos dias de vida, dividindo...

Páscoa

Escrito por Elaine Cruz
Páscoa

Meses antes da chegada da Páscoa, os supermercados e lojas de doces lotam suas prateleiras...

Equilíbrio Emocional

Escrito por Elaine Cruz
Equilíbrio Emocional

Nossos filhos, gerados ou adotados, são presentes de Deus, que expandem nosso horizonte e...

Bem me quer, mal me quer…

Escrito por CPAD Web
Bem me quer, mal me quer…

Não sei se as crianças de hoje ainda brincam de Bem me quer, mal me quer.  Mas se voc...

 

 

SOBRE


Com o objetivo de ajudar as mulheres cristãs da atualidade, a CPAD prepara um presente especial para elas: o site de conteúdos Mulher Cristã. O novo espaço feminino vem repleto de conteúdos inéditos, sempre com temas voltados para as mulheres cristãs de nossos dias.

©2019 CPAD: Av Brasil 34.401 - Bangu - Rio de Janeiro - CEP: 21852-002 - Brasil - CNPJ 33.608.332/0001-02. Designed by CPAD.