Elaine Cruz

Elaine Cruz é psicóloga clínica e escolar, com especialização em Terapia Familiar, Dificuldades de Aprendizagem e Psicomotricidade. É mestre em Educação pela Universidade Federal Fluminense, professora universitária e possui vários trabalhos publicados e apresentados em congressos no Brasil e no exterior. Atua como terapeuta há mais de vinte e cinco anos e é conferencista internacional. É mestre em Teologia pelo Bethel Bible College (EUA) e membro da Academia Evangélica de Letras do Brasil. Como escritora recebeu o 'Prêmio ABEC de Melhor Autora Nacional' e é autora dos livros “Sócios, Amigos e Amados” e “Amor e Disciplina para criar filhos felizes”, todos títulos da CPAD.

Simpatia, apatia, antipatia e empatia   

Nós somos seres sociais por excelência, formados com predisposição para interagir, necessitados dos outros e do próprio Deus.

Por mais que gostemos de observar a beleza da natureza e das coisas criadas por Deus, e por mais curiosos que sejamos com relação à tecnologia e mídias sociais, as pessoas sempre nos chamam mais atenção. Estamos sempre conversando sobre atitudes alheias, observando os modos de viver de outros povos, acompanhando as últimas novidades na decoração e no vestuário e nos emocionando positiva ou negativamente com pessoas.

Há algumas pessoas que observamos de longe, seja em um evento social, em um meio de transporte ou até mesmo na igreja. Podemos não conversar, nem saber seus nomes, mas elas nos parecem simpáticas e agradáveis. Muitas vezes damos um sorriso, desejamos um bom dia e o sorriso simpático de uma pessoa estranha pode melhorar nosso humor, mesmo que momentaneamente.

A grande maioria das pessoas que conhecemos superficialmente, sem a intimidade de trocar confidências ou de frequentar a casa, nos parece simpática. E simpatia é exatamente a capacidade de lidar com o outro com naturalidade, educação, e uma dose de admiração pela postura ou atitudes apresentadas a partir de um simples sorriso, de um olhar carinhoso, ou de gestos delicados e altruístas.

Precisamos aprender a ser simpáticos com as pessoas, demonstrando boa educação e respeito, pois os outros não precisam saber de nossos anseios e frustrações. Ser simpático com vizinhos, irmãos da igreja, familiares e desconhecidos é uma decisão pessoal acertada e biblicamente correta. Infelizmente convivemos também com algumas poucas pessoas antipáticas, que dificultam os relacionamentos sociais, sendo arrogantes, prepotentes, indesejadas e artificiais, sem se preocuparem com os atos e opiniões ao seu redor. Uma pessoa evangélica não deve ser antipática, mas devolver bem ao mal, andar uma segunda milha, tratar a todos com consideração e educação, compreendendo que a antipatia desvia o interesse dos outros da nossa fé em Jesus.

Muitas pessoas conseguem ser apáticas: indiferentes à simpatia ou antipatia dos outros. Geralmente se machucaram em relacionamentos anteriores ou estão tão voltadas para si mesmas, num ato muito egoísta e narcisista, que não olham à sua volta. Perdem a habilidade de se importar com o próximo, se afastando até mesmo das pessoas que as amam. Precisam de Deus, do amor incondicional do Criador, que mesmo sendo Senhor de tudo, se importa conosco, sara nossas dores e deseja atender nossos anseios.

Quando conhecemos as pessoas mais de perto, tendo uma convivência harmoniosa, seja no espaço da igreja ou do trabalho, podemos desenvolver a empatia – onde duas pessoas se simpatizam mutuamente, e se esmeram em se colocar no lugar do outro para melhor atendê-lo, conhecê-lo ou servi-lo. A empatia é a base da amizade, da boa convivência familiar, de um casamento harmonioso e de uma igreja restauradora. Por mais que a empatia esteja prescrita a um grupo menor de pessoas com quem convivemos, ela precisa ser trabalhada no cotidiano dos relacionamentos.

Abandone a apatia e trate sua antipatia. Aprenda a internalizar suas tristezas e mazelas, pois os outros não precisam saber o que sentimos.

Desenvolva a simpatia. Trate os outros como gostaria de ser tratado, sorria mais e alegre corações alheios: esta é a melhor técnica de evangelização!

Seja empático. Esta característica é rara, mas implica vivenciar os princípios bíblicos, usando dons e talentos para servir a outros. Deus é nosso exemplo maior, de alguém que nos conhece e ainda assim morreu no nosso lugar. Deus não foi só simpático à humanidade – ele agiu por amor a ela! 

elaine

Elaine Cruz 

*A CPAD não se responsabiliza pelas opiniões, ideias e conceitos emitidos nos textos publicados nesta seção, por serem de inteira responsabilidade de sua(s) autora(s).

O Inverno da vida

Escrito por Elaine Cruz
O Inverno da vida

O clima do inverno pode ser muito aprazível. Podemos estar aquecidos, aproveitando o aconc...

O Outono da vida

Escrito por CPAD Web
O Outono da vida     

Nas estações do ano da nossa vida, o verão é a nossa infância, a primavera é nossa adolesc...

A Primavera da vida

Escrito por Elaine Cruz
A Primavera da vida

Na definição das estações do ano da nossa vida, se o verão é a nossa infância, a primavera...

O verão das nossas vidas

Escrito por Elaine Cruz
O verão das nossas vidas

Se pudéssemos definir as estações do ano da nossa vida, o verão seria a nossa infância, a...

Os planos de Deus 

Escrito por CPAD Web
Os planos de Deus 

Nossa vida é composta de escolhas cotidianas. Escolhemos horários para acordar e dormir, s...

O medo do novo! 

Escrito por Elaine Cruz
O medo do novo! 

Desde a infância sabemos o quanto pode ser difícil começar numa nova escola, fazer novos a...

Planejamento anual

Escrito por Elaine Cruz
Planejamento anual   

Todo início de um novo ano costumamos fazer muitas e novas resoluções – ler a Bíblia toda,...

 

 

SOBRE


Com o objetivo de ajudar as mulheres cristãs da atualidade, a CPAD prepara um presente especial para elas: o site de conteúdos Mulher Cristã. O novo espaço feminino vem repleto de conteúdos inéditos, sempre com temas voltados para as mulheres cristãs de nossos dias.

©2019 CPAD: Av Brasil 34.401 - Bangu - Rio de Janeiro - CEP: 21852-002 - Brasil - CNPJ 33.608.332/0001-02. Designed by CPAD.