Elaine Cruz

Elaine Cruz é psicóloga clínica e escolar, com especialização em Terapia Familiar, Dificuldades de Aprendizagem e Psicomotricidade. É mestre em Educação pela Universidade Federal Fluminense, professora universitária e possui vários trabalhos publicados e apresentados em congressos no Brasil e no exterior. Atua como terapeuta há mais de trinta anos e é conferencista internacional. É mestre em Teologia pelo Bethel Bible College (EUA) e membro da Academia Evangélica de Letras do Brasil. Como escritora recebeu o 'Prêmio ABEC de Melhor Autora Nacional' e é autora dos livros “Sócios, Amigos e Amados”, “Amor e Disciplina para criar filhos felizes” e o mais recente, "Equilíbrio Emocional", todos títulos da CPAD.

A cultura suicida

Segundo a Organização Mundial de Saúde, temos no mundo um suicídio a cerca de cada vinte segundos. No mundo todo, a taxa geral de mortes por suicídio é de 13 pessoas para cada 100 mil, mas em países pobres esta taxa pode atingir 17,3 pessoas para cada 100 mil. O Brasil é o oitavo país com mais suicídios no mundo em números absolutos.

Infelizmente, estima-se que, para cada pessoa que comete suicídio, existem muitos dados de morte não contabilizados ou registrados de forma diversa, e pelo menos outras vinte pessoas que tentaram tirar suas vidas, mas não conseguiram consumar o ato.

A Organização Mundial da Saúde escolheu o dia 10 de setembro como o dia Mundial de Prevenção ao Suicídio, de modo a conscientizar pessoas e governos sobre a importância do tratamento de doenças mentais e problemas psicológicos. Apesar de a maioria dos suicidas pertencer à faixa etária acima dos 70 anos, é na faixa de 15 a 29 que os números mais impressionam, figurando como a segunda maior causa de mortes.

São muitas as causas que levam uma pessoa a acabar com a própria vida. As mais divulgadas são problemas como depressão, abuso de drogas e situações temporais que despertam forte carga emocional, como o fim de um relacionamento amoroso ou a perda de um emprego. Mas nós sabemos, como evangélicos, que a incidência da sugestão maligna para que as pessoas se suicidem é muito grande. 

Nossa sociedade vive uma cultura suicida em ordem galopante. Clipes e músicas direcionadas para adolescentes mostram artistas ícones com pulsos cortados, se mutilando e/ou se afogando em banheiras cheias de sangue, ou simulando a morte, muitas vezes apresentada como a solução final e decisiva para o término da dor emocional. 

Já na época da peça shakespeariana de Romeu e Julieta, encenada há mais de quatrocentos anos, que mostra uma paixão romântica em que os dois protagonistas se suicidam “por amor”, muitos jovens se suicidaram sob a influência do “morrer por amor”. Hoje, a mídia divulga filmes, clipes e músicas incentivando a morte prematura, a inconseqüência das drogas e a adrenalina de viver perigosamente. Vários sites ensinam crianças a se enforcar, adolescentes a cortarem suas veias, e pessoas de todas as idades a consumirem drogas e a misturarem várias delas, provocando overdoses irreversíveis.

Os dias atuais estão cada vez mais estressantes, gerando um alto número de doenças emocionais e mentais, que infelizmente não estão sendo tratadas como deveriam, com a combinação de terapias e medicamentos prescritos por médicos e profissionais de saúde. E cada vez mais vemos indivíduos que frequentam igrejas evangélicas, muitos como pastores, suas famílias e membros, que estão engrossando os números de suicídios pelo mundo. 

Face a tantas mazelas, o suicídio vem sendo apresentado como uma saída honrosa, uma mentira satânica de que podemos terminar com tudo, de que a vida não vale a pena, de que não precisamos valorizar ou prestar conta do que fazemos com a nossa vida pra ninguém, e muito menos para Deus. Assim sendo, a grande maioria dos atos suicidas são conscientes, fruto da assimilação destes e outros motivos, influenciados por sugestões malignas. Na minha prática profissional, atendendo pessoas que sobreviveram a alguma tentativas suicidas, é comum ouvir relatos de pacientes que ouviam "uma voz dizendo para eu me jogar", ou uma "voz na cabeça me dizia pra acabar com minha vida!"

O homicídio é pecado, já aparece na Bíblia no episódio de Caim e Abel, e o suicídio nada mais é do que o homicídio praticado contra si mesmo. Mesmo entendendo a complexidade mental e a dor emocional pulsante do ato suicida, precisamos acordar para o fato de que o suicida sempre avisa sobre seus planos, muda seus hábitos em casa, e altera seu padrão social, tornando-se arredio e solitário, ou popular em redes e sites de relacionamento com discursos anti-bíblicos, que pregam  contra a vida relacional e espiritual saudável. 

Podemos e devemos fazer diferença em nossos lares, parentela e dentro de nossas igrejas. É muito triste assistir pastores, filhos de pastores e esposas de pastores tirando suas vidas, cientes de que estão perdendo a salvação. Muitos buscam ajuda internamente, mas a cultura de que crente não toma remédio para a mente impossibilita muitos de superarem uma doença tratável, como a depressão, por exemplo, e ganharem o céu. 

Se puder, seja um agente de saúde emocional e evangélica dentro da sua casa e da sua igreja. Olhe as pessoas nos olhos, converse com seu cônjuge, ouça as dores dos seus irmãos e filhos, e direcione-os para uma ajuda profissional com psicólogos, psiquiatras, neurologistas e outros especialistas que podem contribuir para cura da alma, do corpo e da mente. Fazendo assim, estaremos evitando que muitos percam a tão preciosa salvação em Jesus.

elaine

Elaine Cruz 

*A CPAD não se responsabiliza pelas opiniões, ideias e conceitos emitidos nos textos publicados nesta seção, por serem de inteira responsabilidade de sua(s) autora(s).

A cultura suicida

Escrito por Elaine Cruz
A cultura suicida

Segundo a Organização Mundial de Saúde, temos no mundo um suicídio a cerca de cada vinte s...

Considere o que você já tem!

Escrito por Elaine Cruz
Considere o que você já tem!         

A parábola do filho pródigo retrata do comportamento do filho que gasta o que recebe do pa...

Filhos pródigos

Escrito por Elaine Cruz
 Filhos pródigos

Uma das parábolas mais lindas e conhecidas da Bíblia enfatiza o comportamento de um filho...

Tempos

Escrito por Elaine Cruz
Tempos

Nós não sabemos viver desvinculados do tempo. Vamos somando nossos dias de vida, dividindo...

Páscoa

Escrito por Elaine Cruz
Páscoa

Meses antes da chegada da Páscoa, os supermercados e lojas de doces lotam suas prateleiras...

Equilíbrio Emocional

Escrito por Elaine Cruz
Equilíbrio Emocional

Nossos filhos, gerados ou adotados, são presentes de Deus, que expandem nosso horizonte e...

Bem me quer, mal me quer…

Escrito por CPAD Web
Bem me quer, mal me quer…

Não sei se as crianças de hoje ainda brincam de Bem me quer, mal me quer.  Mas se voc...

 

 

SOBRE


Com o objetivo de ajudar as mulheres cristãs da atualidade, a CPAD prepara um presente especial para elas: o site de conteúdos Mulher Cristã. O novo espaço feminino vem repleto de conteúdos inéditos, sempre com temas voltados para as mulheres cristãs de nossos dias.

©2019 CPAD: Av Brasil 34.401 - Bangu - Rio de Janeiro - CEP: 21852-002 - Brasil - CNPJ 33.608.332/0001-02. Designed by CPAD.