Elaine Cruz

Elaine Cruz é psicóloga clínica e escolar, com especialização em Terapia Familiar, Dificuldades de Aprendizagem e Psicomotricidade. É mestre em Educação pela Universidade Federal Fluminense, professora universitária e possui vários trabalhos publicados e apresentados em congressos no Brasil e no exterior. Atua como terapeuta há mais de trinta anos e é conferencista internacional. É mestre em Teologia pelo Bethel Bible College (EUA) e membro da Academia Evangélica de Letras do Brasil. Como escritora recebeu o 'Prêmio ABEC de Melhor Autora Nacional' e é autora dos livros “Sócios, Amigos e Amados”, “Amor e Disciplina para criar filhos felizes” e o mais recente, "Equilíbrio Emocional", todos títulos da CPAD.

Reformulando os Medos

O medo é uma emoção inata e natural ao ser humano, entendida como um instinto primário para garantir nossa sobrevivência física. 

O medo pode ser simples, como medo de insetos, de tempestade ou do escuro. Existem vários níveis de medo, desde a noção de perigo diante de algum risco, que nos permite ficar alertas, como olhar para os lados antes de atravessar a rua; até o pavor, fobia ou síndrome do pânico, quando os temores já são patológicos e precisam ser tratados. 

Os medos em geral são aprendidos na infância, por vezes sem nenhuma associação com um fato específico, mas sempre construídos por outras pessoas. Não nascemos com medo de coisas que não conhecemos: nossos medos são  aprendidos, e quanto mais convivemos com pessoas medrosas, mais medrosos ficamos. 

Podemos desenvolver medos vinculados à vida sentimental, como medo de uma possível decepção amorosa, de lembranças traumáticas do passado, ou de desilusões projetadas para o  futuro. Muitos ainda sofrem de medos associados a questões espirituais, por ainda não conhecerem as verdades bíblicas, como medo da morte, do inferno, e de pessoas que já morreram, entre outros. 

Há também os medos associados  a fatos anteriormente vivenciados, ou cuja possibilidade nos amedronta, como medo de assaltos, de acidente de trânsito, de desabamentos, ou da violência urbana, por exemplo. Nesta época de pandemia, estamos convivendo com medos de possíveis vivências, não só da doença, como das consequências a ela atribuídas. 

Sempre precisamos nos lembrar de que a primeira vez que a palavra medo aparece na Bíblia foi no episódio em que Deus chama por Adão e  Eva e eles, por já terem desobedecido, se escondem pois estavam com medo.  Com o pecado, o homem passa a ter medo, e fica sujeito à dores no corpo e sofrimentos em sua alma. Adão e Eva perdem a segurança do jardim que habitavam, e assistem ao primeiro homicídio entre seus filhos. Sofrem a dor do luto de Abel, e a saudade da separação quando precisam se despedir de Caim. 

Surge a necessidade de trabalhar, a imposição de prover moradia e alimento. A humanidade passa a temer as agruras a serem enfrentadas ao longo da vida, e a inquietar-se com o futuro a construir, ocupações que nos acompanham até hoje. 

É importante observar que nossa responsabilidade para com a nossa família pode nos trazer preocupações legítimas em períodos onde a economia se mostra frágil, como é o caso dos dias atuais. Estamos lidando com uma doença nova, com um vírus que pode ser mortal, e com uma situação inédita, onde não podemos visitar ou abraçar aqueles que amamos. 

Contudo, independente da seriedade da situação, precisamos acalmar nossa alma, controlando nossos temores. E acalmar-se não é uma atitude externa, mas uma decisão interna de manter a calma em momentos de aflição, o que exige treinamento e maturidade.  Quando perdemos a calma, nossos pensamentos se agitam e nossa racionalização se perde. Esquecemos coisas importantes, agimos de forma desordenada, falamos o que não devemos, e não focamos no que é prioridade e essencial.

A Bíblia traz a expressão “não temas” 365 vezes, ou seja, uma para cada dia do ano. Como servos de Deus, precisamos ter a mente limpa de temores, internalizando as muitas palavras de coragem que a Bíblia nos outorga. Deus nos promete proteção, segurança e consolo. Ele é nosso amigo, auxiliador e protetor. Nós podemos confiar nele, e não temer más notícias e desastres naturais:  O justo jamais será abalado; para sempre se lembrarão dele. Não temerá más notícias; seu coração está firme, confiante no Senhor. O seu coração está seguro e nada temerá. (Salmos 112.6-8).

Nos dias atuais, quando nossos medos são reformulados, e tememos o desemprego, o convívio  social e um vírus invisível a olho nu, esteja com os olhos abertos para presenciar milagres e livramentos. Os nossos medos podem ser novos, mas o nosso Deus é o mesmo! 

Sua vida e futuro estão nas melhores mãos.

elaine

Elaine Cruz 

*A CPAD não se responsabiliza pelas opiniões, ideias e conceitos emitidos nos textos publicados nesta seção, por serem de inteira responsabilidade de sua(s) autora(s).

A Verdade Incomoda

Escrito por Elaine Cruz
A Verdade Incomoda

A Bíblia trabalha com verdades absolutas sobre Deus, salvação, pecado, e vida social, prof...

Saudades

Escrito por Elaine Cruz
Saudades

A palavra saudade em português, segundo a história, surgiu no período dos descobrimentos....

Ebenézer

Escrito por Elaine Cruz
Ebenézer

Sempre que comemoramos uma data importante, como o aniversário de fundação de uma igreja o...

A arte de justificar os erros

Escrito por Elaine Cruz
A arte de justificar os erros

É impressionante como aprendemos, desde a mais tenra infância, a justificar nossos erros....

A armadilha do Orgulho

Escrito por Elaine Cruz
 A armadilha do Orgulho

Desde que nascemos convivemos com outros – irmãos, pais, primos, amigos, parentes, vizinho...

Pobreza Moral

Escrito por Elaine Cruz
Pobreza Moral

Nossa capacidade de vasculhar as diversas regiões do mundo através das mídias sociais é im...

Quase…

Escrito por Elaine Cruz
Quase…

A palavra quase é um advérbio que usamos desde a infância, quando as crianças ainda só con...

 

 

SOBRE


Com o objetivo de ajudar as mulheres cristãs da atualidade, a CPAD prepara um presente especial para elas: o site de conteúdos Mulher Cristã. O novo espaço feminino vem repleto de conteúdos inéditos, sempre com temas voltados para as mulheres cristãs de nossos dias.

©2020 CPAD: Av Brasil 34.401 - Bangu - Rio de Janeiro - CEP: 21852-002 - Brasil - CNPJ 33.608.332/0001-02. Designed by CPAD.