Judite Maria da Silva Alves

Professora e terapeuta familiar; casada com o Pr.Ailton José Alves (presidente da Igreja Evangélica Assembleia de Deus em Pernambuco); mãe de três filhos (casados), e avó de quatro netos. Apresenta diariamente, há mais de dez anos, o programa “A mulher e seus desafios” pela Rede Brasil de Comunicação. Lidera o trabalho de Círculo de Oração em todo o estado de Pernambuco e coordena as atividades sociais da IEADPE, que mantém oito Centros de Desenvolvimento Integral Vida em várias comunidades carentes na Região Metropolitana do Recife, onde são atendidas mais de 4 mil crianças.

Deus pôs a eternidade no nosso coração

Todos os nossos dias estão unidos, do começo ao fim. “Ontem é o pai de hoje, e hoje é o pai de todos os amanhãs”, como se diz. A consequência disso é que tudo o que fizermos será de alguma forma revivido ou recompensado no futuro.

As metáforas do plantio e da sega e do “lançar pão sobre as águas”são leis invioláveis da vida. Nossa jornada começa como uma semente de tempo que é lançada. Deus sabiamente nos guia pela Sua Palavra, pois Ele quer que Suas criaturas façam boas escolhas e vivam bem. No entanto, as escolhas da vida são nossas. Mesmo sendo o Deus soberano, Ele não nos coage, mas espera que livremente escolhamos o caminho mais excelente, o caminho do amor.

Cada fase da vida com suas mudanças, a seu tempo e em seu lugar, é bela. Embora elas sejam efêmeras e de duração certa, Deus coloca no interior de cada ser humano a eternidade. Vivemos no transitório, buscando o duradouro, não é assim?

Na infância, desejamos que nossos pais sejam eternos, pois são a primeira figura, o primeiro contato com o eterno que temos. Os pais são, para os filhos pequenos, como elos para a eternidade: neles nos apoiamos, descobrimos e conhecemos o mistério que é essa vida. Na juventude, descobrimos que nossos pais são como nós, e então nos aferramos aos nossos iguais na busca por uma aventura compartilhada e duradoura. Amadurecemos e entramos na vida adulta. Nesse desejo, começamos por nós mesmos a vida, ao gerar outras vidas. Experimentamos em nosso corpo a presença do eterno. Vemos nos filhos a esperança de um recomeço de nós mesmos e no trabalho desejamos transmitir algo que sobreviva a nós.

Envelhecemos e experimentamos o forte desejo de encontrar o lugar de onde viemos e que é eterno. Nossa consciência testifica em nós que pertencemos a outro tipo de vida imortal, que nunca encontrará nesse mundo descanso. Há uma Canaã nos aguardando; “resta ainda um repouso para o povo de Deus” (Hb 4.9). Há um descanso eterno no mundo celestial. Lá descansaremos dos trabalhos e dos males a que nos sujeitamos nessa vida.

Confiemos naquele que é “ancião de dias”. Firmados na “Rocha eterna”, conseguiremos harmonizar a vida temporária com a que é eterna. Ele tudo fez formoso em seu tempo: também pôs a eternidade no coração, de modo que nenhum homem possa descobrir a obra que Deus fez desde o princípio até ao fim.(Ec 3.11).

 Judite Alves

*A CPAD não se responsabiliza pelas opiniões, ideias e conceitos emitidos nos textos publicados nesta seção, por serem de inteira responsabilidade de sua(s) autora(s).

Deus pôs a eternidade no nosso cora...

Escrito por Judite Alves
Deus pôs a eternidade no nosso coração

Todos os nossos dias estão unidos, do começo ao fim. “Ontem é o pai de hoje, e hoje é o pa...

Aprovadas ou reprovadas? Uma avalia...

Escrito por Judite Alves
Aprovadas ou reprovadas? Uma avaliação final do ano de 2018

Gosto de refletir, usar metáforas e alegorias quando sou levada a escrever ou discorrer so...

Quando a Boca Cala, o Corpo Fala

Escrito por Judite Alves
Quando a Boca Cala, o Corpo Fala

Vivemos num mundo em que há momentos que parece que estamos a bordo de um grande avião: a...

A AutoAvaliação - O Desafio dos Nos...

Escrito por Judite Alves
A AutoAvaliação - O Desafio dos Nossos Dias

Refletir sobre a autoavaliação, ou seja, pensar em como, e no que ocupamos a nossa mente e...

Quanto custa um Abraço?

Escrito por Judite Alves
Quanto custa um Abraço?

Um abraço é um gesto de carinho, amor, afeto, amizade; pode significar também motivação, a...

Como remir nosso tempo?

Escrito por Judite Alves
Como remir nosso tempo?

“Remindo o tempo, porquanto os dias são maus” (Efésios 5.16) Devemos ter atenção em como o...

Chega de preocupação

Escrito por Judite Alves
Chega de preocupação

“Respondeu o Senhor: Marta! Marta! Você está preocupada e inquieta com muitas coisas” (Luc...

 

 

SOBRE


Com o objetivo de ajudar as mulheres cristãs da atualidade, a CPAD prepara um presente especial para elas: o site de conteúdos Mulher Cristã. O novo espaço feminino vem repleto de conteúdos inéditos, sempre com temas voltados para as mulheres cristãs de nossos dias.

©2019 CPAD: Av Brasil 34.401 - Bangu - Rio de Janeiro - CEP: 21852-002 - Brasil - CNPJ 33.608.332/0001-02. Designed by CPAD.