Judite Maria da Silva Alves

Professora e terapeuta familiar; casada com o Pr.Ailton José Alves (presidente da Igreja Evangélica Assembleia de Deus em Pernambuco); mãe de três filhos (casados), e avó de quatro netos. Apresenta diariamente, há mais de dez anos, o programa “A mulher e seus desafios” pela Rede Brasil de Comunicação. Lidera o trabalho de Círculo de Oração em todo o estado de Pernambuco e coordena as atividades sociais da IEADPE, que mantém oito Centros de Desenvolvimento Integral Vida em várias comunidades carentes na Região Metropolitana do Recife, onde são atendidas mais de 4 mil crianças.

É na Família que se aprende a Amar

“Amarás, pois, o Senhor, teu Deus, de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todo o teu poder” (Deuteronômio 6.5).

John Bunyan certa feita disse: “Se quiseres ser o cabeça piedoso de uma família, deves certificar-te de que há harmonia cristã entre os que estão sob tua liderança, o que convém a uma casa cujo líder teme a Deus”.

Que visão verdadeira desse homem de Deus! Tem tudo a ver com o versículo em apreço, que expressa o mandamento de Deus, transmitido por Moisés, o homem que falava com Deus cara a cara.

Queridos leitores, amar a Deus envolve não só uma relação vertical, uma relação íntima com o Criador, mas envolve também nosso relacionamento com o próximo. O apóstolo João, de maneira incisiva, exortou em sua primeira carta, dizendo: “E nisto sabemos que o conhecemos: se guardarmos os seus mandamentos. Aquele que diz: Eu conheço-o, e não guarda os seus mandamentos, é mentiroso, e nele não há verdade. Mas qualquer que guarda a sua palavra, o amor de Deus está nele verdadeiramente aperfeiçoado: nisto conhecemos que estamos nele. Aquele que diz que está nele, deve andar como Ele andou” (1Jo 2.3-6). Jesus disse que devemos amar a Deus sobre todas as coisas e ao nosso próximo como a nós mesmos (Mt 22.38-39).

Deus espera de nós, seus seguidores, que amemos não só de palavras, mas com gestos, atitudes, enfim, demonstrações sinceras de amor. O amor é um só, mas pode ser demonstrado de diferentes formas. Em cada um de nossos relacionamentos, a maneira como o expressamos difere, mas o pano de fundo, ou a base é a mesma, o amor. Cada termo do amor usado no seu devido lugar adorna todo relacionamento, desde o vertical, sua vida de comunhão com Deus até ao horizontal, que inclui sua vida conjugal, familiar, e social.

Ninguém nasceu amando; nós aprendemos amar. Bouchman, falando sobre como devemos desenvolver um clima de amor no nosso lar, diz: “Nossas casas devem estar cheias do aroma de amor. Aqueles que nos visitam devem notar imediatamente que o mundo em que estão inseridos é um mundo do narcisismo egocêntrico e egoísta, e que o lugar que entraram é um porto seguro, as pessoas se tratam bem, valorizam e estimam os outros acima de si mesmas”. Quantas pessoas adentram aos nossos lares e desejam não sair daquele ambiente, porque sentem que ali existe amor! Quantas crianças visitam lares onde o clima do amor é notório, e não querem voltar para suas casas, porque sentem-se inseguras pela falta de amor, pela violência e maus-tratos. Que lindo é quando abrigamos alguém no nosso ninho de amor e, sem palavras, percebem-se que o amor de Deus reina ali!Escutei de uma senhora, que era vizinha de apartamento de uma serva de Deus, que tinha o costume de fazer o seu devocional todas as manhãs, pegava seu violão, de maneira sensata, sem perturbar os vizinhos, e louvava a Deus, lia a Sua Palavra e agradecia pela noite, pedindo a Sua bênção para aquele dia.

Um dia, essa mulher adoeceu e passou uns dias sem louvar a Deus. A vizinha sentiu a falta daquela voz suave que todas as manhãs adentrava a sua casa. Então, resolveu ir ver o que passara. Foi até aquela casa, tocou a campainha, e ao ser atendida por um familiar da casa, ela perguntou: “O que aconteceu com a minha vizinha que canta?”.“Ela está enferma”, foi a resposta. Ao ouvir isto, ela começou a chorar e a dizer: “Antes, eu estava deprimida, e todos os dias comecei a ouvir as melodias que ela cantava, e de pouco a pouco, fui recuperando as forças, voltei a fazer minhas atividades e me sinto bem”. Com aquela atitude a serva de Deus ganhou aquela vida para Ele!

Que este relato sirva de exemplo para nós. Não restam dúvidas de que há famílias à beira do precipício e da destruição; será que poderão olhar as nossas famílias e desejarem ser iguais a nós? Ou estamos servindo de mal exemplo para aqueles que se perdem? Sua família é um referencial de amor, bons tratos, e educação na vizinhança? Sigamos, portanto, a recomendação de Jesus: “Assim resplandeça a vossa luz diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras e glorifiquem o vosso pai que está nos céus” (Mt 5.16).

 Judite Alves

*A CPAD não se responsabiliza pelas opiniões, ideias e conceitos emitidos nos textos publicados nesta seção, por serem de inteira responsabilidade de sua(s) autora(s).

É na Família que se aprende a Amar

Escrito por Judite Alves
É na Família que se aprende a Amar

“Amarás, pois, o Senhor, teu Deus, de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todo...

Guarde o seu Coração

Escrito por Judite Alves
Guarde o seu Coração

“Sobre tudo o que se deve guardar, guarda o teu coração, porque dele procedem as saídas da...

Você confia em Deus?

Escrito por Judite Alves
Você confia em Deus?

Muitas mulheres sentem desejo de se aproximar cada dia mais de seu Deus, e para que esse d...

Como Ser Mulher Feminina

Escrito por Judite Alves
Como Ser Mulher Feminina

Nesses últimos dias, andei um pouco inquieta com a declaração de algumas mulheres que acha...

 

 

SOBRE


Com o objetivo de ajudar as mulheres cristãs da atualidade, a CPAD prepara um presente especial para elas: o site de conteúdos Mulher Cristã. O novo espaço feminino vem repleto de conteúdos inéditos, sempre com temas voltados para as mulheres cristãs de nossos dias.

©2018 CPAD: Av Brasil 34.401 - Bangu - Rio de Janeiro - CEP: 21852-002 - Brasil - CNPJ 33.608.332/0001-02. Designed by CPAD.