Elaine Cruz

Elaine Cruz é psicóloga clínica e escolar, com especialização em Terapia Familiar, Dificuldades de Aprendizagem e Psicomotricidade. É mestre em Educação pela Universidade Federal Fluminense, professora universitária e possui vários trabalhos publicados e apresentados em congressos no Brasil e no exterior. Atua como terapeuta há mais de trinta anos e é conferencista internacional. É mestre em Teologia pelo Bethel Bible College (EUA) e membro da Academia Evangélica de Letras do Brasil. Como escritora recebeu o 'Prêmio ABEC de Melhor Autora Nacional' e é autora dos livros “Sócios, Amigos e Amados”, “Amor e Disciplina para criar filhos felizes” e o mais recente, "Equilíbrio Emocional", todos títulos da CPAD.

Perdoar não é cicatrizar instantaneamente

Perdoar é uma decisão difícil de ser tomada. Mas sabemos que precisamos perdoar pessoas com quem convivemos no trabalho ou na igreja, ou familiares mais próximos. Contudo, nas relações mais próximas, como entre pais e filhos, entre irmãos ou entre cônjuges, o perdão é absolutamente necessário para a manutenção do afeto.

Uma vida conjugal pode sobreviver e até ser satisfatória na ausência de filhos. O casamento sobrevive às dificuldades financeiras, às doenças, às atribuições e à rotina do cotidiano. Os cônjuges podem até sobreviver à devastação de um adultério. Entretanto, a amizade conjugal não sobrevive sem perdão.

Ao longo de um namoro os casais aprendem a desculpar-se. Desculpam o atraso do namorado, o mau humor da namorada e os entraves que as diferenças de pontos de vista provocam. No noivado, os noivos desculpam os parentes que se envolvem nos assuntos do casal, e desculpam-se mutuamente pelo nervosismo dos preparativos e pelo “frio na barriga” provocado pela proximidade da data do casamento.

Entretanto, as desculpas diferem do perdão. Quando alguém esbarra em você na rua e pede desculpas, você desculpa a pessoa de imediato. Embora haja aqueles que estão tão mal emocionalmente que não desculpam nem mesmo as coisas simples, como uma cotovelada dada sem querer ou uma brincadeira de mau gosto, em geral desculpamos as pessoas por atos desprovidos de maldade, cinismo ou malícia. As desculpas são mais instantâneas, até porque são atribuídas aos fatos e às pessoas que não nos ferem tão profundamente.

Já para as flechas que atingem a nossa alma, que fazem doer não só o coração, mas por vezes o corpo todo, desculpas não bastam. Para estas precisamos do perdão, que pode até ser proferido em palavras e revelado nas intenções instantaneamente: na primeira confissão e ao primeiro pedido de perdão o outro diz “eu te perdôo”. Contudo, mesmo que se arranque a flecha e se perdoe quem a atirou, há um processo a ser vivenciado até que o ferimento feche e cicatrize.

E é exatamente isto que muitos não entendem: os que perdoam ainda podem continuar, por meses a fio, a sentir a dor de uma traição ou de um desgosto provocado pelo ofensor. Afinal, fechar uma ferida leva tempo, às vezes anos, e ainda assim a cicatriz que ela deixa pode não doer mais, mas nos faz recordar do que se passou.

Por outro lado, muitas vezes o ofensor quase que exige que quem foi magoado continue a conviver com ele como se nada houvesse acontecido – como se um simples pedido de perdão fosse capaz de fechar uma ferida que foi aberta por anos, ou que é cutucada a cada semana pelo ofensor. Não cicatrizam rápido, por exemplo, as feridas provocadas por adultério, agressão física, filhos fora do casamento, xingamentos diários, rejeição e discussões que ferem a auto estima, entre outras. 

Mesmo havendo a decisão de perdoar, é necessário esperar pelo tempo da alma humana para assimilar os fatos, entender os motivos, conviver com as lembranças e apagar a dor (não a memória dos fatos!). 

Se você perdoou seu cônjuge lembre-se de se permitir desfrutar deste tempo. Você pode até pedir que Deus apague de vez a dor e faça com que você pule etapas – mas desde já lhe afirmo que a despeito dele poder fazer, ele não é obrigado a fazê-lo. Muitas vezes ele nos permite passar pelas provas do tempo, e neste caso é a nossa determinação em dizer “minha alma ainda dói, mas eu já perdoei” o fator que pode acelerar o processo de cicatrização. 

Portanto, decida-se a superar, controle seus pensamentos e não alimente sentimentos de raiva ou de autocomiseração. Perdoe sempre, todos os dias, até não mais doer!

elaine

Elaine Cruz 

*A CPAD não se responsabiliza pelas opiniões, ideias e conceitos emitidos nos textos publicados nesta seção, por serem de inteira responsabilidade de sua(s) autora(s).

Pedidos de Socorro

Escrito por Elaine Cruz
Pedidos de Socorro

Vivemos em um mundo adoecido pelas questões da saúde física que perpassam as nações da ter...

Reformulando os Medos

Escrito por Elaine Cruz
Reformulando os Medos

O medo é uma emoção inata e natural ao ser humano, entendida como um instinto primário par...

Vivenciando o Luto 

Escrito por Elaine Cruz
Vivenciando o Luto 

Cada vez mais estamos assistindo a morte chegar mais perto da nossa família. Antes as notí...

Colocando a casa em ordem

Escrito por Elaine Cruz
Colocando a casa em ordem

A quarentena, para os que puderam ficar em casa, foi um período em que muitos arrumaram ar...

Sobriedade em meio ao caos

Escrito por Elaine Cruz
 Sobriedade em meio ao caos

Sempre que o mundo vive algum caos, como as guerras mundiais ou as pandemias passadas, pes...

Conversando sobre Finanças

Escrito por Elaine Cruz
Conversando sobre Finanças

Esta pandemia está trazendo mudanças consideráveis em todas as áreas da nossa vida. Avós n...

Tempo de Mudanças

Escrito por CPAD Web
Tempo de Mudanças

Temos ouvido que o mundo não será o mesmo depois desta pandemia. Sim, um vírus vai ser cap...

 

 

SOBRE


Com o objetivo de ajudar as mulheres cristãs da atualidade, a CPAD prepara um presente especial para elas: o site de conteúdos Mulher Cristã. O novo espaço feminino vem repleto de conteúdos inéditos, sempre com temas voltados para as mulheres cristãs de nossos dias.

©2020 CPAD: Av Brasil 34.401 - Bangu - Rio de Janeiro - CEP: 21852-002 - Brasil - CNPJ 33.608.332/0001-02. Designed by CPAD.