Elaine Cruz

Elaine Cruz é psicóloga clínica e escolar, com especialização em Terapia Familiar, Dificuldades de Aprendizagem e Psicomotricidade. É mestre em Educação pela Universidade Federal Fluminense, professora universitária e possui vários trabalhos publicados e apresentados em congressos no Brasil e no exterior. Atua como terapeuta há mais de trinta anos e é conferencista internacional. É mestre em Teologia pelo Bethel Bible College (EUA) e membro da Academia Evangélica de Letras do Brasil. Como escritora recebeu o 'Prêmio ABEC de Melhor Autora Nacional' e é autora dos livros “Sócios, Amigos e Amados”, “Amor e Disciplina para criar filhos felizes” e o mais recente, "Equilíbrio Emocional", todos títulos da CPAD.

Unidade Conjugal

Na minha infância, era comum um casal ter vários filhos. Além disso, era usual que as pessoas morassem perto dos seus pais e de outros irmãos e primos casados, e isto proporcionava que as crianças convivessem mais com seus primos, que eram os pares ideais para brincadeiras após a escola.

É claro que este arranjo trazia alguns inconvenientes, como uma família se intrometer na dinâmica da outra, pois afinal sempre há os que gostam de fofocar ou de governar a vida alheia. Contudo, facilitava muito a vida das mães que trabalhavam fora e tinham com quem deixar seis filhos depois que voltassem da escola, e era mais simples conhecer de perto os colegas mais próximos dos filhos.

Outro fator interessante era o fato de que os pertences eram partilhados. Era comum uma mesma roupa ser usada pelos irmãos ou primos mais novos, e até mesmo os livros ou enciclopédias estudantis, ou os de consulta escolar, serem partilhados por outros que estavam em séries escolares anteriores. Aprendíamos assim a preservar mais o que tínhamos, porque sabíamos que outros utilizariam o que estávamos usando, construindo um sentimento mais amplo de troca e ajuda mútua. E mesmo quando os mais velhos começavam a trabalhar, grande parte do salário (quando não todo ele) era utilizado para ajudar nas contas da casa em que viviam.

Partilhar roupas, tarefas domésticas, livros escolares, quartos, brinquedos e guarda-roupas nos ajudava a entender a sociedade de forma menos egoísta. Sabíamos aonde morávamos, quais eram nossos limites em casa, mas não havia muito a exclusividade dos bens. Lidávamos melhor com as perdas, aprendendo a sermos menos presunçosos ou pedantes. Sabíamos manter nossa individualidade sem sermos individualistas ou egocentrados.

Com o passar dos anos, a estrutura social foi se modificando. Quando olhamos a qualidade emocional da sociedade que vivemos nos dias atuais, nos assusta o crescente egoísmo, em como a maioria das pessoas se ocupa só de seus interesses, e só consegue pensar em si mesmo, em seus desejos e necessidades. As crianças têm dificuldade de partilhar seus brinquedos, e cada uma possui seu próprio celular, computador, e até geladeira em seus quartos. São ensinadas a decidir o que querem vestir, e lidam com seus pertences de forma exclusivista e desleixada, destruindo bens que seus pais compram com dificuldade.

O problema se evidencia, muitas vezes, no momento do casamento, quando pessoas criadas de forma individualista vão ter que compartilhar quartos, guarda-roupas, geladeira, armários e finanças, muitos têm dificuldade na conjugação de esforços pelo bem do casamento. Até porque, no casamento o meu se torna nosso, e precisamos abrir mão da egolatria para aprendermos a nos dedicar a fazer o outro feliz.

É inviável a construção de uma relação conjugal quando os casais escondem do cônjuge quanto ganham ou como investem seu dinheiro. Não há conjugalidade quando o casal segue com suas vidas paralelas, cada um com seus amigos, com seus hobbies, com suas manias, sem partilhar sonhos, projetos, medos e metas de vida. Não há unidade quando um dos cônjuges teima em viver isolado, quieto no seu canto, evitando toques ou diálogos, não expondo seus medos ou partilhando seus anseios.

Quem é solteiro precisa aprender a se preparar melhor para a vida de casado. Nossas igrejas podem ajudar nisto, organizando classe e cursos para noivos. Mas é sobretudo em nossas casas que nossos filhos precisam aprender que casamento é troca, entrega, partilha, esvaziamento, divisão, consenso, acordo. Não há singularidade: o tempo é dos dois, o dinheiro é dos dois, os filhos são do casal, as tarefas da casa e os problemas domésticos são resolvidos a dois.

Casamento não é feito para pessoas egoístas, que priorizam a si mesmas em detrimento do outro. Casamento é para aqueles que aprendem a dialogar, trocar e abrir mão de seus interesses pelo interesse do outro, cientes de que é exatamente na troca afetiva e na cumplicidade que reside o genuíno sentido de sermos dois em um: uma só carne, um só coração.

elaine

Elaine Cruz 

*A CPAD não se responsabiliza pelas opiniões, ideias e conceitos emitidos nos textos publicados nesta seção, por serem de inteira responsabilidade de sua(s) autora(s).

Escolha se comprometer

Escrito por Elaine Cruz
Escolha se comprometer

Todos nós carregamos na memória o pesado fardo de lembranças que envolvem situações em que...

Falando sem pensar!?

Escrito por Elaine Cruz
Falando sem pensar!?

É muito comum que a gente ouça pessoas dizendo que fizeram coisas erradas, ou falaram cois...

Chuva e ventos

Escrito por Elaine Cruz
Chuva e ventos

Em nossa igreja cantamos uma versão de um hino americano que diz: Chuva e vento não podem...

Inconsequência

Escrito por Elaine Cruz
Inconsequência

Esta semana, no estado de São Paulo, um adolescente de dezesseis anos pegou a arma do pai,...

Unidade Conjugal

Escrito por Elaine Cruz
Unidade Conjugal

Na minha infância, era comum um casal ter vários filhos. Além disso, era usual que as pess...

Hospitais

Escrito por Elaine Cruz
Hospitais

Estou escrevendo este artigo em um hospital particular no Rio de Janeiro, onde estou como...

Felicidade no Trabalho

Escrito por Elaine Cruz
Felicidade no Trabalho

No primeiro dia do mês de maio, tanto no Brasil como em Portugal, nós comemoramos o dia do...

 

 

SOBRE


Com o objetivo de ajudar as mulheres cristãs da atualidade, a CPAD prepara um presente especial para elas: o site de conteúdos Mulher Cristã. O novo espaço feminino vem repleto de conteúdos inéditos, sempre com temas voltados para as mulheres cristãs de nossos dias.

©2024 CPAD: Av Brasil 34.401 - Bangu - Rio de Janeiro - CEP: 21852-002 - Brasil - CNPJ 33.608.332/0001-02. Designed by CPAD.